Mafia cTc

Segurança totALL

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

CTC Rele vital

E-mail Imprimir PDF

Rele Vital

Vane Track Relay style S.L.V. 13

Circuitos de via podem ser considerados a alma do CTC, ou SBA. Pois todo seu funcionamento se baseia em informações e indicações por eles coletados.

A indicação de via livre ou ocupada (ou quebra de trilho) é gerada pelo rele vital.

A seguir vamos observar as características do rele Wabco / U.S. & S. co, tipo S.L.V. 13 de produção muito antiga, e ainda utilizado até os dias de hoje mesmo que em pequena escala.


O rele S.L.V. 13 é do tipo de leque com um elemento de duas posições, utilizado em circuitos de via tipo CA, desenvolvidos para ferrovias eletrificadas em corrente continua.

Tem seu mecanismo encerado em caixa cilíndrica de vidro, com base de ferro fundido e tampa de baquelite, sua vedação é feita por anéis de borracha, e tem as dimenções externas de 8” de diâmetro por 10” de altura.

Possui um leque em forma de setor, confeccionado em chapa de alumínio praticamente puro, laminada com muita precisão, a fim de não apresentar nenhuma ondulação nem fissuras superficiais, devendo também apresentar condutividade alta e uniforme.
O disco ou setor do leque é estampado, endireitado, e submetido a tratamento térmico; recebe um acabamento acetinado por imersão em solução potassa, seguido de imersão em solução fraca de acido nítrico.

O cubo é montado sobre o eixo e desbastado perpendicularmente a ele,onde se faz a montagem do leque, que então é endireitado novamente, e tem sua perpendicularidade  eixo conferida, e após endireitado manualmente para que cada protuberância seja removida; após o conjunto é submetido a novo tratamento térmico, no processo final o disco é escovado, sendo assim temos um disco totalmente plano, de acabamento acetinado, que evidenciará qualquer arranhão que possa surgir decorrente de falha em sua operação.

O eixo que sustenta o leque é confeccionado em aço inoxidável, pivoteado em mancais de liga: níquel-Prata a 30%, com encosto de pedra preciosa.

O jogo radial entre o pivô e o eixo do leque é de 0,05” a 0,007”. Está folga é necessária para reduzir a possibilidade de adesão de poeira ao mancal. Já a folga longitudinal do eixo do leque é de 0,010” a 0,015”. Os mancais com encosto de pedra preciosa dispensam o uso de óleo.

Nota-se, o contrapeso, constituído por uma porca rosqueada ao prolongamento do leque, é usado para fins de ajustar o torque necessário ao retorno do leque para a posição de repouso, evitando assim pressão acessiva aos contatos NF (normal fechado).

O curso de um leque é definido como seu percurso, dês de o ponto em que toca um rolete de limite, até o ponto que toca o limite oposto. O limite por rolete, cosiste em um rolete de baquelite, fixado sobre um eixo de aço inoxidável, que deslisa sobre uma pista de duas hastes, também em aço inoxidável. O leque possui guarnição de aço inoxidável no perímetro onde se toca com o rolete, e o amortecimento é feito pelo deslize do rolete em sua pista.

Através da movimentação do rolete uma nova superfície de ataque é exposta ao disco, a cada operação do rele, evitando assim o desgaste desigual do rolete.

O núcleo tem forma de C, disposto horizontalmente, onde o leque trabalha verticalmente em seu entreferro. Para imantar o núcleo, são usadas duas bobinas de 45 espiras cada uma, dispostas uma em cada lado do entreferro.

Sobre a metade superior de cada face polar (limite do entreferro), existe um anel de cobre, necessários para mover o leque.
O conjunto requer 3,41v 2,47ª ou 8,42va, com fator de potencia de 0,62 para operação normal em 60Hz.

Para transmissão do movimento do leque até os contatos, existe um acoplamento mecânico ao eixo uma alavanca de ¼”, que se mantém na posição horizontal com o rele desenergizado.

As molas dos contatos são montadas na barra-suporte pivoteada que se move por ação da alavanca. Os terminais de ligação são de bronze, com rosca de 14-24 fios e selados. Porcas quadradas, arruelas e recessos apropriados impedem a rotação dos terminais.

Em geral as peças de bronze são niqueladas e as peças de ferro e aço são pintadas ou estanhadas.

Bibliografia:

Manuais U.S.& S. co.

Fepasa - Tecnologia em C.T.C. - Gerência do sistema elétrico do subúrbio.

 

Topo da página

Última atualização em Dom, 05 de Fevereiro de 2012 19:08